Archive for junho \28\UTC 2009

Celebridade gosta mesmo é da revista Caras

28/06/2009

O Sr. Sergio Gabrielli deu entrevista ao jornal O Estado de São Paulo essa semana e publicada hoje, domingo 28/06 – íntegra aqui. Semana retrasada houve outra entrevista, quase uma coletiva, no programa Roda Viva da TV Cultura de São Paulo, transmitida a todo o Brasil através da rede de TVs educativas. Li uma e assisti a outra. Nas duas, a percepção que tenho do presidente da Petrobras é de extrema arrogância. O homem não conhece a palavra diplomacia.

Sinceramente, mesmo pesquisando na internet a procura de entrevistas diversas no passado recente, não achei nada parecido a essa postura vindo de um executivo graúdo de empresa que fosse.

Parte da entrevista publicada hoje em que ele coloca um tal de “preconceito contra nordestinos” só porque a imprensa questiona as gordas verbas para festejos regionais intermediadas por ONGs pra lá de suspeitas é seu pior momento. Golpe baixo querendo colocar brasileiros contra brasileiros em defesa de atos que merecem sim investigação.

Alguns poderão achar até válido o posicionamento de Gabrielli, num entendimento de que seria uma defesa aguerrida do seu negócio, da corporação que dirige. Mas por que não temos nada parecido em qualquer outro tipo de conglomerado? O que seria diferente na Petrobras em relação a tantas outras grandes empresas, nacionais ou multinacionais, que daria essa prerrogativa a seu presidente em ser arrogante, raivoso, pouco polido até?

A íntegra da entrevista, como já linkei acima, está disponível na internet. Vou ainda tentar achar uma transcrição do programa Roda Viva para que vocês tenham a oportunidade de analisar também. Gostaria, porém, de pedir a cada leitor desse texto que postasse nos comentários, caso conheça, algum exemplo de dirigente de conglomerado, qualquer que seja, dando caneladas em público iguais as que estamos assistindo protagonizado por Gabrielli. Unzinho só. Eu não achei nada parecido. Se acharem, será com certeza uma exceção.

Gabrielli se diz incomodado com a CPI. Diz que a mesma poderá afetar economicamente a Petrobras, e que apurações do TCU e outros órgãos de investigação já estão prejudicando a companhia. Cumé quié?

Quer dizer que uma investigação legítima do TCU está, segundo suas palavras, atrasando licitações porque funcionários da empresa agora têm que prestar contas? A Petrobras tem 30 funcionários apenas? A sede fica no fundo do quintal da casa do Gabrielli? È de matar de rir tal argumento.

Se só no setor de comunicação trabalham 1150 pessoas – fora os contratados recentemente – ele quer fazer acreditar que o setor jurídico, técnico e outros que provavelmente são acionados para produzir relatórios explicativos de suspeições levantadas pelo TCU ou pelo MPF desestabilizam o cotidiano da mega-super-hiper Petrobras? Estou rindo aqui…

Então significa que montar uma equipe de “crise” de 30 pessoas para acompanhar a CPI e levantar documentos e respostas às inquirições dos senadores também vai atrapalhar a companhia?

A Petrobras tem mais de 75 mil funcionários diretos! Aliás, todos muito bem remunerados, diria até que sobrando em alguns setores (comunicações é um deles). Terceirizados devem passar de 120 mil. Prestar contas à sociedade vai dar trabalhinho é? Vai ser canseirinha?

Insinuar que investigar a empresa é uma maneira de prejudicar a Petrobras é o fim da picada! Qualquer empresa no Brasil, privada, nacional, multinacional ou pública é a princípio alvo de investigação que por ventura pareça necessária, e ponto final!

Se Gabrielli acha que ser alvo de investigação desgasta o sossego de seus diretores e assemelhados, então o que ele diria de uma simples fiscalização da Receita Federal sobre um pequeno comércio? Seria um recado pro dono da bodega gritar “cansei!”, chutar o cesto de lixo e sair arrancando as roupas pela rua?

Vamos pegar como exemplo um simples posto de combustíveis então, já que faz parte do mundo do petróleo. Na estrutura desse posto de abastecimento não existem diretores, coordenadores, nem mesmo assessores de imprensa editando bloguinho. Ali, quando chega um fiscal, ele EXIGE documentos. E o dono do estabelecimento vai ter que se virar pra suprir todas as solicitações LEGÍTIMAS do poder fiscalizador. No máximo, o bravo vai procurar ajuda de um advogado ou contador. E a vida dele e do seu negócio continuam sem maiores problemas. É assim em qualquer cidade do país.

Imaginem também o Sr. Abilio Dinis, dono da CBD (Pão de Açúcar) dando declarações na imprensa peitando senadores e levantando teorias de uma imprensa conspiratória. Seria destituído rapidinho da presidência do grupo, mesmo sendo o controlador. Nenhum acionista ou conselheiro que não fosse miolo mole aceitaria a imagem da empresa que representa sendo arranhada pela impertinência de comentários do tipo. Se fosse caso de executivo contratado, como um Carlos Gosh, da Renaut-Nissan, decerto seria bilhete azul, no ato!

Mas Gabrielli se acha DONO da Petrobras! Não se enxerga como um executivo que está lá para dar, polidamente, satisfações à sociedade, aos acionistas, aos empregados e aos órgãos legítimos de fiscalização e controle. Um presidente de empresa é o porta-voz de toda companhia perante a sociedade, não de si mesmo. É dirigente, não celebridade.

Gabrielli está transformando em briga pessoal uma coisa natural numa sociedade democrática e republicana. Fazer CPI é uma das atribuições do poder legislativo e todo cidadão, do nível que for, tem que aceitar isso. Se existe medição de força política no caso (e toda CPI tem política embutida, é do jogo), caberia ao presidente da Petrobras ficar bem longe dessa cumbuca. Se alguém se acha no direito de gritar contra a imprensa e fazer manobras protelatórias contra a CPI, no meu entender essa tarefa seria dos partidos da situação, assumindo inclusive o desgaste dessas atitudes perante a opinião pública. Já a empresa tem que ser diplomaticamente preservada por seus responsáveis, sempre.

Isso só corrobora a tese de que, antes de ser presidente da Petrobras, Gabrielli é quadro do PT, e que os interesses do PT estão acima dos da Petrobras. É essa a leitura que qualquer ser pensante e sensato faz do quadro atual. E quem perde com essa atitude é a própria Petrobras, que vai arranhando sua imagem graciosamente perante a opinião pública nacional, quiçá no mundo todo, já que parece atuar como apêndice de partido político.

Enquanto isso, em um prédio lá no RJ…

27/06/2009
DBA - Departamento de Blogs e Afins

DBA - Departamento de Blogs e Afins

Perguntar não ofende

25/06/2009

Só por curiosidade: Tem algum parente do Sarney enfiado aí na Petrobras também?

Orkumate = Orkut + tomate

25/06/2009

Para não dizerem que critico apenas o blog da Petrobras, mostro aqui que sim, a imprensa também erra. O célebre caso do boimate sempre dá suas caras hehehe.

Esta semana o jornal Folha de São Paulo cometeu uma enorme barriga* em reportagem assinada pelos jornalistas Talita Bedinelli e Fábio Takahashi no caderno “cotidiano”, espaço de notícias locais da cidade de São Paulo.

Laura Capriglioni comandou seus pupilos em reportagem sobre a greve dos funcionários da USP – Universidade de São Paulo – baseada, entre outras fontes, em pesquisas feita no site de relacionametos Orkut.

Para quem não conhece, o Orkut é um site majoritariamente freqüentado por jovens e adolescentes, que utilizando pseudônimos, criam milhares de comunidades chamadas “bogus” – simples brincadeiras e molecagens.

A Folha pegou uma dessas comunidades “bogus” e levou a sério seu conteúdo, entrevistando inclusive um perfil “fake” (falso), sem sobrenome,  usando-o como fonte. Colocou isso na sua reportagem, cometendo a barriga do ano da imprensa paulista.

Esse caso caiu como uma luva para que eu pudesse demonstrar aqui que quando a imprensa comete seus erros, tem sim que ser exposta, para que essa exposição a envergonhe a fim de torna-la mais apurada, de qualidade, responsável. Isso não significa querer o fim da imprensa livre, assim como criticar a postura da Petrobras em seu blog não significa querer o seu fim.

Nunca nesse espaço censurei o direito da Petrobras – ou qualquer outra empresa, instituição ou pessoa – se expressar na internet. O que tenho feito é apenas chamar a atenção as artimanhas, erros e interesses por trás dessas iniciativas.

Quando iniciativas bem intencionadas e feitas com excelência, só temos a comemorar e incentivar. Se manipuladas ou pouco transparentes, é dever de todo internauta questionar e criticar, seja o lado que for da moeda.

 

*barriga no meio jornalístico quer dizer publicar um fato falso, mas sem intenção de enganar o leitor. Uma mancada, informação errada.

Informação Seletiva

24/06/2009
Renata LoPrete

Renata LoPrete

 

O print screen acima é do Blog da Petrobras oficial.

Ali, eles rebatem uma notinha da coluna Painel, do jornal Folha de São Paulo, assinada pela jornalista Renata Loprete.

O blog faz referência a uma suposta “seletividade” na memória da jornalista, insinuando que ela não checou dados passados para emitir opinião.

Bom, ali é uma coluna de notas curtas, não de matérias completas. São pílulas de informação. Mas é direito certo e líquido a Petrobras se pronunciar e criticar caso a empresa se sinta prejudicada, sem dúvida.

Mas vejam que oportunidade PERDIDA!

Ao invés de partir para a ironia, poderia a empresa explicar, detalhadamente, as REAIS questões que podemos levantar lendo a nota de Renata e a respectiva resposta do blog:

– Se em 2005 a Petrobras já patrocinava os tais festejos naqueles estados, então governados pela oposição, quais os números detalhadamente? Quantas cidades, quais cidades, quais valores e através de que empresas ou ONG’s?

Aliás, lendo a nota novamente agora (a da Folha) e a respectiva resposta da Petrobras, um insight: Se as denúncias que correm são de que esses patrocínios muitas vezes são intermediados por ONG’s ligadas ao PT, então nada mais lógico que em 2006 os tais estados fossem governados pela oposição e hoje sejam pela situação. Sinal que a “ajudinha” da Petrobras surtiu efeito né?

Ex-segurança de Lula atua na Petrobras por movimentos sociais

23/06/2009

dinheirama apreendida pela PF com os aloprados em 2006

dinheirama apreendida pela PF com os aloprados em 2006

Envolvido no caso do dossiê contra tucanos, da eleição de 2006, José Carlos Espinoza trabalha no setor de comunicação, em SP

Petista comandou gabinete paulista da Presidência e foi um dos mais próximos auxiliares do presidente; petrolífera é alvo de CPI

FERNANDO BARROS DE MELLO
DA REPORTAGEM LOCAL

Ex-chefe do Gabinete Regional da Presidência da República em São Paulo e um dos mais próximos seguranças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em campanhas políticas, José Carlos Espinoza trabalha, desde abril de 2007, na sede da Petrobras em São Paulo.
A Petrobras é alvo de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), que ainda aguarda sua instalação no Senado.
Espinoza fica no setor de Comunicação Institucional da sede paulista da empresa, mas afirma que sua função é fazer a interlocução com os movimentos sociais. Ele é terceirizado, contratado pela empresa Protemp, sediada em Santo André.
O diretor de Comunicação da Petrobras é Wilson Santarosa, que tem ligações históricas com PT e movimento sindical. Espinoza é um dos 1.150 profissionais da comunicação da Petrobras, segundo quem ele foi contratado pela “vencedora da licitação para serviços de apoio profissional suplementares às atividades de comunicação”.
Durante a campanha eleitoral de 2006, Espinoza se afastou do gabinete da Presidência para exercer, no comitê de Lula em São Paulo, a função de encarregado da agenda do então candidato à reeleição.
No meio da campanha, foi citado no escândalo da compra do dossiê contra tucanos. Segundo a revista “Veja”, ele se reuniu na sede da superintendência da Polícia Federal com Freud Godoy, ex-assessor especial da Presidência, e Gedimar Passos, assessor da campanha, implicados na compra do dossiê. Na época, a PF e os envolvidos negaram o encontro.
Ainda em 2006, após a prisão dos envolvidos na compra do dossiê, a Folha revelou que o apartamento de Espinoza serviu de local para um encontro entre Freud Godoy e Paulo Ferreira, tesoureiro do PT.
Espinoza deixou o cargo no gabinete presidencial depois do caso do dossiê. Ele afirma que pediu a saída por razões pessoais. “Disse que não queria ficar mais no escritório da Presidência, por motivos pessoais”, disse ontem à Folha.
Questionado sobre como surgiu a oportunidade de trabalhar para a Petrobras, afirmou: “Por conta exatamente do meio de campo que foi pedido para eu fazer entre os movimentos sociais e a Petrobras. Conheço o José Rainha [dirigente do MST], o presidente da Contag [Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura], o pessoal da Fetraf [Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar]”.
Ele disse que tinha vontade de trabalhar na área do biodiesel e conversou com algumas pessoas do governo, entre elas Gilberto Carvalho, chefe de gabinete de Lula. Informou que hoje acompanha um projeto no Pontal do Paranapanema e um em Mato Grosso.
Por conta da CPI, entidades como a CUT (Central Única dos Trabalhadores) fizeram atos de apoio à Petrobras em vários Estados e acusaram a oposição de querer privatizar a empresa. Espinoza esteve em um desses atos, em São Paulo.

Reportagem do Jornal Folha de São Paulo de 23/06/09 (na íntegra)

                                                  – 0 –

Repetindo: Princípios Éticos do Sistema Petrobras:

6. O mérito é o critério decisivo para todas as formas de reconhecimento, recompensa, avaliação e investimento em pessoas, sendo o favorecimento e o nepotismo inaceitáveis no Sistema Petrobras.

Chororô e mimimimi

19/06/2009

Olha, estava com um texto quase pronto para postar aqui, dissertando sobre alguns porquês da Petrobras hospedar seu blog no WordPress. Como disse o grande roqueiro de Brasília – “festa estranha com gente esquisita” hehehehe.

A empresa tem um enorme e aparelhado CPD no Brasil, tem gente capacitada, tem website institucional, e coloca seu blog láááá nos EUA. Fazem uma mediação de comentários pra lá de parcial (agora parece que os comentários estão menos “aparelhados”), não identificam claramente os responsáveis da bodega e nem se enquadram na política de termos de uso e de privacidade do seu próprio website brasileiro (pelo menos não apresentam nada sobre isso no blog).

Enfim, larguei o texto original pelo meio e comecei esse aqui. Depois de mais uma semana puxada nos meus estudos, vendo que aquele espaço virou um chororô incompatível com a grandeza da companhia, com muito mimimimi e pouca ou nenhuma repercussão, fico em dúvida se vale a pena mesmo dar atenção a essa “estratégia” botocuda de meia dúzia de engravatados lá de dentro.

O povo brasileiro está indo trabalhar e estudar como faz todos os dias, os trabalhadores da Petrobras, como parte do povo que são, também, e a imprensa está carpindo e roçando pro blog deles.

A CPI está a passos lerdos por culpa dos interessados de sempre, mas uma hora ela começa e  mesmo controlada pelo governo alguma coisa deve apurar. Como sempre ouvi por aí, CPI sabe-se como começa, mas nunca como termina. Os órgãos de investigação devem (eu espero) estar fazendo seu trabalho também.

Então, podem soltar o release que for para gabar-se do tráfego ou resultado do seu blog de desinformação que ninguém vai mesmo publicar. E a meia dúzia de puxas de sempre, que por acaso reverberarem, não vão fazer diferença. Como eu já disse, para quem tem 1150 profissionais no cabresto da área de comunicação, ficaria até fácil criar artificialmente tráfego e participação.

Blog de verdade é aquele que fazemos sozinhos diante do nosso micro, no quarto ou no escritório, conseguindo na RAÇA tráfego e repercussão.

Então amigos, vamos deixar eles lá, puxar pra mais perto as cadeiras e jogar um baralhinho. Pode ser truco?

Para ler e refletir…

18/06/2009

Princípios Éticos do Sistema Petrobras:

*Publicado no website oficial da empresa (OBS: Os grifos são meus)

1. O respeito à vida e a todos os seres humanos, a integridade, a verdade, a honestidade, a justiça, a eqüidade, a lealdade institucional, a responsabilidade, o zelo, o mérito, a transparência, a legalidade, a impessoalidade, a coerência entre o discurso e a prática, são os princípios éticos que norteiam as ações do Sistema Petrobras.

2. O respeito à vida em todas as suas formas, manifestações e situações é o principio ético fundamental e norteia o cuidado com a qualidade de vida, a saúde, o meio ambiente e a segurança no Sistema Petrobras.

3. A honestidade, a integridade, a justiça, a eqüidade, a verdade, a coerência entre o discurso e a prática referenciam as relações do Sistema Petrobras com pessoas e instituições, e se manifestam no respeito às diferenças e diversidades de condição étnica, religiosa, social, cultural, lingüística, política, estética, etária, física, mental e psíquica, de gênero, de orientação sexual e outras.

4. A lealdade ao Sistema Petrobras se manifesta como responsabilidade, zelo e disciplina no trabalho e no trato com todos os seres humanos, e com os bens materiais e imateriais do Sistema, no cumprimento da sua Missão, Visão e Valores, em condutas compatíveis com a efetivação de sua Estratégia Corporativa, com espírito empreendedor e comprometido com a superação de desafios.

5. A transparência se manifesta como respeito ao interesse público e de todas as partes interessadas e se realiza de modo compatível com os direitos de privacidade pessoal e com a Política de Segurança da Informação do Sistema Petrobras.

6. O mérito é o critério decisivo para todas as formas de reconhecimento, recompensa, avaliação e investimento em pessoas, sendo o favorecimento e o nepotismo inaceitáveis no Sistema Petrobras.

7. A legalidade e a impessoalidade são princípios constitucionais que preservam a ordem jurídica e determinam a distinção entre interesses pessoais e profissionais na conduta dos membros dos Conselhos de Administração, dos Conselhos Fiscais e das Diretorias Executivas e dos empregados do Sistema Petrobras.

8. O Sistema Petrobras compromete-se com o respeito e a valorização das pessoas em sua diversidade e dignidade, em relações de trabalho justas, numa ambiência saudável, com confiança mútua, cooperação e solidariedade.

9. O Sistema Petrobras desenvolve as atividades de seu negócio reconhecendo e valorizando os interesses e direitos de todas as partes interessadas.

10.                   O Sistema Petrobras atua proativamente em busca de níveis crescentes de competitividade, excelência e rentabilidade, com responsabilidade social e ambiental, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Brasil e dos países onde atua.

11.                   O Sistema Petrobras busca a excelência em qualidade, segurança, meio ambiente, saúde e recursos humanos, e para isso promove a educação, capacitação e comprometimento dos empregados, envolvendo as partes interessadas.

12.                   O Sistema Petrobras reconhece e respeita as particularidades legais, sociais e culturais dos diversos ambientes, regiões e países em que atua, adotando sempre o critério de máxima realização dos direitos, cumprimento da lei, das normas e dos procedimentos internos.

                                                        – 0 – 

Meu comentário: Parabéns Petrobras por criar, publicar e expor ao público esse exemplar código de ética. Espero que os moderadores dos comentários do Blog Fatos e Dados (o blog oficial) conheçam essas diretrizes. Tenho certeza que os funcionários DE FATO da Petrobras, aqueles que ralam e suam a camisa, conhecem.

A luta continua.

15/06/2009

Depois de um ótimo feriado, com o inverno antecipado me congelando os pés e minha namorada aquecendo meu coração (hehehehe), volto a ativa aqui. Quero anunciar que vou estar menos presente, pois estou com meu TCC atrasado e entrando em semana de provas na facul. Também passei a colocar moderação prévia nos comentários – ajudado pelo meu avô, velho e atento napolitano, que se dispôs a compartilhar o árduo compromisso.

Isso terá que ser feito porque detectei, infelizmente, comentários contendo links maliciosos (provavelmente intencionais), o que poderia prejudicar alguns leitores incautos e até esse blog, devido à classificação etária do mesmo dentro do wordpress. Mas continua a proposta de não censurar qualquer tipo de conteúdo postado na seção.

Depois dessa rápida explicação sobre minha ausência e da mudança quanto aos comentários, vamos ao tema do dia:

Passado uma semana, formei a opinião de que o Blog da Petrobras nada mais é que uma extensão da assessoria de comunicação e imprensa da direção da companhia. Diferente do que alguns articulistas da própria imprensa levantaram – de que seria uma inovação e uma grande sacada da empresa em benefício do consumidor – ali o internauta só vai encontrar a opinião da direção da empresa. É quase a mesma coisa que visitar seu website institucional. Até aí nada demais, pois no mundo do marketing – e é o mundo que estudo – transparência total é uma escolha delicadíssima, muitas vezes inviável. A Coca-Cola, por exemplo, não iria, para satisfazer a curiosidade legítima de um consumidor, revelar a sua histórica fórmula secreta para mostrar-se transparente. Então esse papinho de inovação e revolução no contato empresa-cliente levantado por alguns em cima do “case” blog Petrobrás é pura fumaça. Lá, queiram ou não, você está em ambiente controlado por uma diretriz.

Tem o fato positivo deles colocarem na íntegra sua comunicação com a imprensa (desde que respeitando o off da apuração), mas pecam na análise que fazem dessa comunicação e também por não postarem, para efeito comparativo, as matérias jornalísticas efetivamente publicadas também na sua íntegra, sem restrição. Mais transparente seria colocar apenas a íntegra dos dois lados, e deixar que os leitores tirassem suas conclusões.

O problema hoje, entretanto, é continuar com o posicionamento político-partidário contido na seção de comentários do blog da nossa querida Petrobras. A moderação lá tem esse infeliz viés. Recebi e pesquisei na blogosfera inúmeras reclamações de gente que foi censurada quando fez críticas, perguntas incômodas ou partiu em defesa dos que lá são publicamente atacados. Já os bajuladores se acotovelam aos montões. E cá para nós, para uma empresa que conta com 1150 funcionários em sua área de comunicação, ficaria até fácil criar artificialmente essa nuvem de opinião positiva.

Mas isso não significa que esteja defendendo que um blog empresarial  abra mão da moderação nos comentários. Muito pelo contrário. No caso da Petrobras o que está faltando é exatamente moderação. Mas moderação equilibrada e transparente, o mínimo que se espera de uma empresa com a excelente reputação construída ao longo desses 56 anos e que prega responsabilidade social, ambiental e institucional.

O comportamento do blog é outro, aprovando mensagens com todo tipo de ataques e linchamentos à imprensa, jornalistas, políticos e demais supostos opositores, não da companhia, mas do partido que controla o governo atual. Isso joga ladeira abaixo toda imagem positiva duramente construída ao longo de meio século.

Blog da Petrobras: Transparência nebulosa II

12/06/2009

Acompanhem: (os grifos são meus)

Publicado no Blog Oficial da Petrobras em 10 de junho sob o título “O Blog é nosso?”:

“O blog Fatos e Dados tem recebido o explícito apoio de milhares de internautas, jornalistas e entidades como ABI, OAB, entre outras, o que demonstra o acerto da decisão da Petrobras de manter um canal de comunicação rápida e direta com o público, dedicado a apresentar fatos e dados recentes da Petrobras, o posicionamento da empresa sobre as questões relativas à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e  esclarecimentos solicitados pela imprensa.”

 

Folha de São Paulo pergunta ao blog da Petrobras em seguida:

Pergunta: De que forma a Petrobras soube desse apoio da OAB? Foi pela entrevista aos jornais?

Resposta do blog:  “A Petrobras tomou conhecimento da posição da OAB por meio de declarações publicadas na imprensa.” (N.E. – essa ladainha toda significa simplesmente SIM)

 

Agora leiam a declaração publicada na imprensa a qual o blog se refere:

Declaração de Cezar Brito (presidente da OAB) ao jornal O Estado de São Paulo:

Para o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, a companhia pode encontrar outras formas de garantir a transparência e a publicação de suas posições em matérias jornalísticas sem quebrar o princípio de exclusividade, que faz parte da essência da atividade. “Não há nada contrário a uma instituição criar um blog como fonte de informação de seu pensamento, é até recomendável. Porém, não é recomendável que se quebrem as cláusulas de exclusividade com os jornalistas. Há uma quebra dos princípios da boa convivência, opinou Britto. Para o dirigente da OAB, a empresa pode não estar buscando desestimular a imprensa a investigá-la, mas produz esse efeito na prática. “Seria bom a Petrobrás rever esse procedimento. A partir do momento em que o jornal não tem a exclusividade, perde o interesse de divulgar como furo jornalístico algumas matérias. Acho que não é uma política correta.”

 

Resumo da ópera:

A declaração do presidente da OAB acima foi o suficiente para que a equipe que edita o blog oficial da Petrobras publicasse, sem consultá-lo, a seguinte frase de auto-engrandecimento:      O blog Fatos e Dados tem recebido o explícito apoio de milhares de internautas, jornalistas e entidades como ABI, OAB, entre outras…

Dando um desconto para a ABI (Associação Brasileira de Imprensa), cujo jornal interno que editam tem como um dos maiores anunciantes a própria Petrobras (clique aqui para ver, mas veja até a última página!), sobrou como apoio REAL ao blog as informativas e esclarecedoras palavras “ENTRE OUTRAS”.

E depois criticam a imprensa…

 

Em tempo: Isso tudo aconteceu ANTES do blog RECUAR na decisão de publicar a bel prazer o OFF dos jornalistas.